1. Skip to viagra canada without prescription treatment Menu
  2. Skip to Content
  3. Skip to Footer>

Veiga Simões

PDF Imprimir Enviar por E-mail




Veiga Simões, escritor, jornalista, político, diplomata, investigador, nasceu em Arganil a 16 de Dezembro de try it viagra medication for erection 1888 e faleceu, em Paris, a 1 de Dezembro de 1954.

Dedicamos esta página à sua vida e obra. Aqui poderão encontrar textos de e sobre Veiga Simões, fotografias e outros documentos que ajudarão a conhecer melhor quem foi Veiga Simões.






Veiga Simões, escritor, jornalista, político, diplomata, investigador, nasceu em Arganil a 16 de Dezembro de 1888, filho de António José Simões e de D. Guilhermina Alves da Veiga Simões.
Veiga Simões desde muito cedo deu sinais da sua brilhante inteligência e de uma grande facilidade na escrita. Em 1905 está em Coimbra a frequentar o Curso de Direito. Aí toma contacto com a política nacional. Numa época de grande efervescência política, com o sistema monárquico agonizante, Veiga Simões foi desde novo uma figura de destaque na vida académica coimbrã. A sua produção literária na área da ficção e do ensaio literário, é quase toda desta sua passagem por Coimbra.
De 1906 a 1911 publica: Nitockris, Escola de Coimbra, A Nova Geração, Sombras, Elegia da Lenda. Contos, teatro, ensaio, são as áreas que desenvolve nos seus livros publicados nesta época. Nesta fase não devemos esquecer um interessante trabalho sobre a história de approach generic viagra effective Arganil, publicado na revista Ilustração Portuguesa.

Terminado o curso vem para Arganil como advogado, mas logo é chamado a tarefas de âmbito nacional. A política é uma actividade a que Veiga Simões não pode fugir. Em pouco tempo, os seus dotes de orador, a sua figura impecável e a facilidade na escrita, levam-no a participar activamente e aos níveis mais elevados da vida nacional, onde ocupa o lugar de Ministro dos Negócios Estrangeiros, em 1912.

Outra faceta de Veiga Simões que interessa salientar é a de jornalista. De 1913 a 1915, Veiga Simões é comentador em três jornais: O Jornal de Arganil, de que é director, O Diário de Coimbra e o República, órgão do Partido Republicano Evolucionista onde milita. Em 1915 surge o Correio de womens viagra pill remedies Arganil, também sob a orientação de Veiga Simões. Este jornal que veio substituir o Jornal de Arganil, teve também vida efémera, terminando a sua publicação em 1916.
Mas a área onde Veiga Simões mais de notabilizou, foi como diplomata. Com uma vertiginosa ascensão na carreira, Veiga Simões entra para o Quadro Diplomático e Consular do Ministério dos Negócios Estrangeiros, sendo nomeado cônsul de Portugal em Manaus em 1915. Em 1919, Veiga Simões é promovido e colocado em Oslo – Noruega. Dois anos mais tarde é chefe de missão e é colocado como ministro plenipotenciário em Viena de Áustria. A partir daqui Veiga Simões percorre toda a Europa como representante de Portugal, em importantes negociações de carácter político, com uma vertente muito forte na área comercial.

Este é um período extremamente interessante de online diovan prescription Veiga Simões. Os lugares que ocupa permitem-lhe estar perto dos centros de decisão. De 1933 a 1940, é enviado extraordinário e ministro plenipotenciário em Berlim, onde acompanha o processo que conduziu à Segunda Guerra Mundial. São importantíssimos para o estudo desta época, os relatórios enviados por Veiga Simões, no desempenho das suas funções, para o Palácio das Necessidades em Lisboa.



Veiga Simões não foi um particular simpatizante da política do Estado Novo. A sua frontalidade e o seu carácter humanista, criaram-lhe várias incompatibilidades que foram minando a sua carreira diplomática. Em 1946 Veiga Simões é colocado como ministro plenipotenciários na China.

A sua saúde abalada por vários problemas, impede-o de ocupar o lugar. Salazar aproveita a oportunidade para o afastar definitivamente, demitindo-o da carreira diplomática.
Com o passaporte cativo do Governo Português, Veiga Simões acaba por falecer em Paris no dia 1 de Dezembro de 1954, sendo sepultado em Arganil no dia 22 do mesmo mês. O seu funeral, com honras próprias dos filhos ilustres de Arganil, foi fortemente condicionado pela presença de inúmeros agentes da polícia militar – PIDE, que nem morto o deixaram em paz.

Veiga Simões foi um dos Arganilenses mais ilustres, senão o mais ilustre, que até hoje nasceu neste concelho. A sua obra está ainda por estudar, até porque muito do que escreveu na última fase da sua vida, em Paris, está desaparecida e nunca foi publicada. Os Relatórios enviados nas suas inúmeras missões, como diplomata, nos muitos países onde exerceu funções, são uma fonte importantíssima para o conhecimento da política internacional, no período que vai de 1915 a 1940.
Em 2002, Lina Madeira publica “Alberto Veiga Simões: Esboço Biográfico” fruto da dissertação que preparou para a sua tese de mestrado. O livro, obra importantíssima para um melhor conhecimento de Veiga Simões, vai agora ter continuidade com o novo livro da autora: “Correspondência de um diplomata no 3º Reich”. Este livro, levanta um pouco mais o véu do desconhecimento, que tem ofuscado o brilho da personalidade de click here buy online viagra where Veiga Simões.




Alberto da Veiga Simões (1888 – 1954). Nascido em Arganil, formou-se em Direito na Universidade de Coimbra, entrando em 1911 para a carreira diplomática, no exercício de cujas funções esteve no Brasil (Manaus e Pará), Viena de Áustria, Praga, Budapeste, Bruxelas e de 1933 a 1940 em Berlim. Vivendo nos grandes centros europeus, aquele que começara por se interessar pela literatura e pelo teatro e sempre permaneceria atento aos problemas fulcrais da economia e da política, ao interessar-se pela história pôde, por tais circunstâncias, beneficiar da influência das correntes basilares do pensamento europeu e consagrar-se a minuciosas pesquisas em todos os arquivos históricos da Europa, reunindo impressionante acervo documental que utilizava à luz de uma informação extremamente actualizada.

Já em 1931 é vice-presidente da Comissão das Grandes Descobertas e representa Portugal no Congresso das Ciências Históricas de Budapeste. Nas suas concepções de então reconhece-se a marca decisiva de Henri Pirenne e entre os portugueses, como seria lógico, Jaime Cortesão e António Sérgio (e através deles, de Oliveira Martins). Como Cortesão, sublinha o condicionalismo geográfico na formação da nacionalidade e na génese da expansão, pelo pendor atlântico do país; o papel decisivo dos portos, o estímulo das Cruzadas quanto à abertura do comércio e criação de um meio cosmopolita. 1383 – 1385 como revolução que coloca no poder não um rei mas a burguesia: outras tantas ideias hauridas naqueles três historiadores; a Sérgio mais em especial (na linhagem aliás de Oliveira Martins) vai buscar o contraste entre as duas politicas nacionais – a de transporte e a de produção (veja-se “La Flandre, le Portugal et les débuts du capitalisme moderne”, na «Revue Économique Internationale» de Agosto de 1932 e separata, Bruxelas e Paris, 1933).

Mas, convivendo com W.Sombart durante a sua missão diplomática em Berlim (cujos relatórios parecem ser de generic viagra canadian grande importância para o estudo da Alemanha nazi e origens da Segunda Guerra Mundial), o rumo das suas concepções vai mudar, representando a transição o capítulo sobre “O Infante D. Henrique – o seu tempo e a sua acção” que deu para a “História da expansão portuguesa no Mundo” (vol. I, 1937) e o ensaio “Portugal, o ouro, as descobertas e a criação do Estado capitalista (I Congresso da História da Expansão Portuguesa no Mundo, Lisboa, 1938).

V.S. atinha-se ainda à consideração do factor unanimemente havido como essencial: «As rotas do Levante haviam sido cortadas pelos Turcos; a rota do Sul, através do Mar Vermelho, fora monopolizada pelo Egipto, que a explorava a seu talante, carregando-a de alcavalas, encarecendo o produto, rarificando-o nos grandes mercados do Norte, donde ele iria alcançar as cidades do Sul da Alemanha que acordavam para o comércio nos fins do sec. XIV.» Ora, «só o comércio rico do Oriente teria um volume capaz de ser expresso» na massa do ouro do Sudão, que sem aquele ficaria estéril. Este ouro alimentara durante dois séculos o tráfego europeu a distância, mas as perturbações do Norte de África tinham-no estancado e a pirataria tornava instável a navegação pelo Estreito.»

«Com o avanço muçulmano dos fins do século XIV, a Europa perdeu o contacto com as regiões auríferas do centro africano e ficou limitada à sua produção interior.» Mas, para além das razões que moveram esta ou aquela personagem, V.S. tentava já explicar o expansionismo por todo um longo processus social, objectivamente considerado, que, radicando na Reconquista, se prolongaria séculos em fora.

Em tal processus o espírito de cruzada não desempenha papel de relevo: «Religiosos povoadores como guerreiros religiosos eram conduzidos de preferência pela dilatação dos terrenos dum senhorio civil e pela sua valorização em rendas» que não por tal espírito. «A guerra religiosa era trazida de fora» para a Península: pelas invasões almorávidas, por um lado, por outro e sobretudo pelos «guerreiros franceses da cruzada internacional organizada sobre o Ebro pelo Papado e por Cluny, com sua feudalidade turbulenta e ávida.» Todavia, «Cluny e o seu espírito não teriam qualquer influência na sociedade portugalense». Não tem, pois, qualquer base o cruzadismo como factor explicativo da expansão, e aliás tal ideia de Bensaúde já fora eliminada pela crítica de Duarte Leite do número das hipóteses a ter em conta (em 1931, V.S. definia D. Henrique «un prince, coeur de croisé et intelligense de marchand»). Portugal, «a primeira unidade política europeia, de formação, de formação unicelular», resulta de «dois factores simultâneos, um peninsular, outro de ordem geral: 1) A desagregação di império leonês nos cinco reinos peninsulares; 2) A reabertura do comércio a distância pelas cruzadas, que lhe deu assento à actividade económica e lhe moldou as directrizes políticas. Porventura essas funções têm uma origem comum. «O seu regime de propriedade nada tinha com o feudal.»

Mas se V.S. aderia então a várias das ideias de Sérgio, Cortesão e Oliveira Martins, começava a marcar certas discrepâncias que posteriormente viria a vincar: «O volume da nossa burguesia, verbi gratia, e a sua formação social e económica, são inteiramente diferentes dos das burguesias citadinas europeias (e nisto reside uma das confusões de Sérgio). Por isso mesmo, a nobreza, após tentativas nos séculos XIV e XV de lhe invadir a função à sombra dos seus privilégios, pôde usurpar-lhe a partir de D. Manuel I e monopolizar a condução da vida social portuguesa», (passamos agora a utilizar a correspondência de 1943 1945). A depressão que pesava sobre a Europa desde meados do Séc. XIV atinge Portugal no seu último terço. Alta dos salários rurais, carência de mão-de-obra, redução dos réditos senhoriais, uma nobreza sem recursos que se vai acolhendo à corte.

Nos começos do Séc. XV, o problema português «assume» três aspectos: carência de rendas para a nobreza por estreiteza das terras e impossibilidade de as fazer produzir mais; carência de território, em que o espírito neo-feudal dessa nobreza se pudesse expandir; e, sobrelevando a tudo, o predomínio das cidades em que o rei, logicamente, apoiara a vida económica e social do reino; carência do instrumento monetário a distância capaz de vivificar pela sua entrada na economia una a depressão em que ela sufocava e de restituir a essa economia forças próprias com que sobrelevar a crise».

Há que distinguir o plano de Ceuta, o plano da circumnavegação de África, o plano das ilhas ……». A circumnavegação do continente africano visava as especiarias asiáticas, sem as quais o ouro ficaria estéril; tal objectivo surgiu graças ao «conhecimento exacto do mecanismo do comércio rico» que D. Pedro trouxera da sua estadia na Hungria; mas com esse objectivo fundia-se a procura directa do metal amarelo, cujo mercado fugira para o Cairo, e «dos escravos com que acudir à carência de mão-de-obra da metrópole, à sua alta de salários, e ao excessivo urbanismo». A conquista de Granada «seria um desviatório de nobres decaídos em rendas».

V.S. procurava posteriormente ir muito mais longe na análise destes problemas. «A destrinça na massa dos factos… do que sejam causas, fenómenos de aparecimento paralelo, e consequências, parece-me ser, para quem se curva sobre a sociologia histórica portuguesa, o problema mais delicado. O que nos pode aparecer por causas, poderá por vezes ser consequência, ou -na fórmula de Simiand- concomitâncias. Convenci-me de que não é possível medir com rigor as causas do expansionismo histórico e a sua situação real. O volume de cada classe no quadro social só poderá ser medido com relativo rigor traçando-o, com a sua história, desde o início, a sua evolução, seus recursos económicos e os que apreende estranhos ao seu volume próprio».

O expansionismo representa a mola «num país de colonização, construído pelo alargamento sobre terreno devoluto, ao sul do Douro, duma célula social desarticulada da Galiza já pela ganância dos nobres, até à actualização das comendas de Cristo como remunerações burocráticas pela Restauração do mesmo clã que utilizava e dominava, desde a morte do Regente –e posto de parte, o intervalo de D. João II- a acção em todo o além-mar». Haveria pois, que distinguir em Portugal, na era quatrocentista, múltiplas e autónomas economias. Entre os pontos que V.S. julgava ter já apurado figuram: «as cinco fases do plano de expansão, de D. João I a D. Manuel; a finalidade restrita e especial da Crónica da Guiné; a formação da lenda henriquina nos primeiros anos do governo de D. Manuel». A contribuição de V. S. é duplamente importante: por um lado como José de Bragança, fez intervir a figura do Infante D. Pedro; por outro lado, e sobretudo, esboçou o que pode ser uma visão sociológica dessas grandes personagens e principalmente do processus colectivo do expansionismo (embora se mantivesse preso a algumas das ideias nucleares dos historiadores anteriores).

Repetidas vezes disse que tinha efectivamente concluídas a História do Infante D. Henrique e a História di infante D. Pedro, bem como o primeiro tomo, que ia do século III ao VIII, de uma História Social da Península, destinada a iluminar e a servir de alicerce àquelas duas; mas, conquanto pareça que se sabe do paradeiro (em Paris) dos manuscritos de V.S. (figurarão estas obras entre eles?), têm resultado vãs as tentativas para abrir acesso até eles; ora a sua não publicação prejudica irremediavelmente o estudo do Portugal quatrocentista e seus antecedentes.

Vitorino Magalhães Godinho

In: Dicionário de História de Portugal – direcção de Joel Serrão. Porto: Livraria Figueirinhas, imp.1989




VEIGA SIMÕES (Alberto da). Diplomata e escritor, n. em Arganil a 16-XII-1888 e m. em Paris a 1-XII-1954. De 1899 a 1905 tirou o curso secundário no Liceu de Coimbra, bacharelando-se em Direito, na mesma cidade, em 1910.

Entrou, pouco depois, na carreira diplomática, sendo nomeado, em 1-VI-1911, adido à Legação de Londres. Em 11-VI-1915 foi aprovado no concurso para o Quadro Diplomático e Consular. Em 13-XI-1915, foi nomeado cônsul de 3ª classe, em Manaus, e em 5-II-1918, transferido para o Pará. Em 25-II-1918, foi promovido a cônsul de 2ª classe e, em 30-V-1919, a cônsul de 1ª classe e colocado em Cristiânia. Em 15-I-1921, foi nomeado ministro plenipotenciário de 2ª classe, em Viena de Áustria. Neste mesmo ano sobraçou a pasta dos Negócios Estrangeiros, no ministério presidido pelo coronel Manuel Maria Coelho, pasta que manteve no ministério presidido pelo Eng.º Cunha Leal.

Em 19-II-1922 foi encarregado de estudar e negociar vários tratados de comércio e fazer a reorganização dos serviços consulares na Alemanha, Checoslováquia, Hungria, Sérvia, Polónia, Estónia, Lituânia e Finlândia. Em 28-VII-1922 foi nomeado ministro plenipotenciário de 2ª classe, em Berlim. Em 25-V-1923, foi encarregado de negociar um tratado de Comércio com a Polónia, e, em 2-VI-1923 esteve em comissão de serviço junto da Comissão de Reparações. Em 7-XI-1924 passou à disponibilidade. Em 30-XII-1925 foi nomeado ministro plenipotenciário em Buenos Aires, cargo de que não chegou a tomar posse. Em 15-III-1926, foi novamente nomeado ministro plenipotenciário em Praga, Viena de Áustria e Budapeste. Em 21-VI-1926, representou Portugal, no Comité Executivo do Congresso de Direito Internacional de Viena de Áustria.

Em 1928 participou, como delegado de Portugal, na Conferência Internacional Antiproibicionista (Viena), de que foi vice-presidente, e no Congresso Internacional das Associações Protectoras dos Animais. Em 1931 participou, como delegado de Portugal e vice-presidente da Comissão das Grandes Descobertas, no Congresso de Ciências Históricas, reunido em Budapeste na Conferência Interparlamentar de Comércio, realizada em Praga; e na Conferência Internacional de Agricultura, na mesma capital.

Em 1932 foi professor do Instituto de Altos Estudos Diplomáticos de Bruxelas. Nomeado Ministro plenipotenciário, junto do governo da Alemanha em 8-VIII-1933, ali assistiu à expansão do regime nacional-socialista, que conduziu à Segunda Grande Guerra Mundial. Já durante esta passou à disponibilidade em 31-VIII-1940.

Publicou os seguintes trabalhos: Daquém e Dalém Mar; A Crise e os Problemas da Politica Comercial Portuguesa; História da Expansão Portuguesa; O infante D. Henrique, o seu Tempo e a sua Acção; A Função Social do Teatro; A Escola de Coimbra e Elegia da Lenda, etc.

Era agraciado com numerosas condecorações, entre as quais: grã-cruz da Ordem de Cristo; Cruz de Benemerência da Cruz Vermelha Portuguesa; grã-cruz da Ordem da Estrela da Roménia; grã-cruz de Ouro da Ordem de Mérito da Áustria; comenda da Ordem de Santo Olavo da Noruega e a 1ª Classe da Sociedade Alemã da Cruz Vermelha.


In Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira. (vol. 34)

 



Simões (Alberto da Veiga) – Diplomata e historiador port. (Arganil, 16.12.1888 – Paris, 1.12.1954). Bacharelou-se na Univ. de Coimbra, em 1920, entrando depois na carreira diplomática. Esteve em Londres (1911), Manaus (1915), Pará (1918) e Cristiânia (1919). Em 1920, ministro plenipotenciário de 2ª classe em Viena de Áustria, nesse mesmo ano foi chamado a sobraçar a pasta dos Negócios Estrangeiros e, depois, a do Comércio. Ministro plenipotenciário de 2ª classe em Berlim (1922-1924), em 1926 foi transferido para Praga, Viena e Budapeste. Em 1932, foi nomeado prof. no Instituto de Altos Estudos Diplomáticos de Bruxelas, e no ano seguinte passou a ministro plenipotenciário em Berlim (1933-1940). Transferindo-se para Paris, ali perseverou até à morte, ocupado nos seus estudos.

OBRAS: Daquém e Dalém Mar; A crise europeia e os problemas da polít. comercial portuguesa, Lx., 1930; «O Infante D. Henrique, o seu tempo e a sua acção», em História da Expansão Portuguesa no mundo, I, 311-354, ibid., 1937; A função social do teatro; A Escola de Coimbra (de colab. com João de Barros), C., 1910; Elegia da Lenda, P., 1912; Homenagem ao poeta Vasco Vidal, C., s/d; Interesses portugueses na Amazónia, Lx., 1917; Nitocterisis, C., 1908; Les nouvelles orientations de la politique economique internationalle, Pa., 1932; A nova geração, C., 1911; Plágios, ibid., 1904; «Portugal, o ouro, as descobertas e a criação do Est. capitalista», em Congresso da História da Expansão Portuguesa no Mundo, I, 231-277, Lx., 1938; Sombras, P., 1912; Vasco Vidal, s/l n/d; «Para uma nova polit. comercial portuguesa», em I Congresso da Indústria Portuguesa, Lx., 1933; La Flandre, le Portugal et les debuts du capitalisme moderne, Brx., 1933.

BIBL. H. P. (Barc.), suplemento, 3166-354; Câmara Reys, «Veiga Simões», em Seara Nova (Lx., ano XXXVI, Nov.-Dez.), 22-24. D. Maurício


In Verbo Enciclopédia Luso-Brasileira de Cultura. (vol. 17)

1904
Homenagem ao poeta Vasco Vidal, do seu maior admirador e amigo. Folheto de 4 páginas;
Teresita, opúsculo em verso;
António Nobre I, carta aberta aos portugueses.
Plágios, resposta . Coimbra : Typographia Democrática , 1904

1906
ARGANIL . In : Ilustração Portuguesa, 1906

1908
Nitockris, contos.  Coimbra . França Amado, Ed. , 1908

1910
A Escola de Coimbra, opúsculo com João de Barros. Coimbra. França Amado,ed. , 1910

1911
A Nova Geração, ensaios . Coimbra : França Amado, Editor, 1911
Estudo sobre as tendências actuais da Literatura Portuguesa. In : Nova Geração. Coimbra

1912
A função social do teatro, ensaio .  Lisboa.
Elegia da lenda/Livro das Saudades, crónicas e estudos . Porto:  Magalhães & Moniz,.
Sombras, peça de teatro em 3 actos . Porto: Magalhães & Moniz, 1912

1916
Daquém e Dalém Mar, estudos sobre a política portuguesa no Brasil, 1ª edição em 1916 e 2ª em 1917, Manaus.

1917
Interesses portugueses na Amazónia, estudos . Lisboa. Anuário Comercial, 1917

1920
Programa de política comercial com o Brasil, Lisboa.

1921
Organização do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Lisboa.????

1929
La France et le Portugal pendant la guerre de Cent Ans, conferência na Sarbonne, Paris.

1930
A crise europeia e os problemas da política comercial, conferência na Associação Comercial dos Lojistas de Lisboa, editada em separata do boletim “O Comércio Português”.

1931
Les découvertes dans l’Atlantique Occidentale avant Colomb, Comunicação ao Congresso das Ciências Históricas, Budapeste.

1932
Les Nouvelles Orientations de la politique économique internationale, conferências na Académie de Droit Internationale, foram inicialmente publicadas no Recueil des Cours, em 1931.
2ª edição, prefaciada por C. J. Gignoux, em Paris : Libraire du Recueil Sirey , 1932

1933
Para um política comercial portuguesa, comunicação ao I Congresso da Indústria Portuguesa, do qual participou como convidado de honra.
La Flandre, le Porugal et les débuts du capitalisme moderne, curso no Institut des Hautes Étuds, Bruxelas. Terá tido uma 2ª edição em Paris (ed. Sirey).

1937
O Infante D. Henrique. O seu tempo e a sua acção .  In História da Expansão Portuguesa no Mundo . Lisboa : Ática , 1937

1938
Portugal, o ouro, as descobertas e a criação do Estado capitalista, comunicação ao I Congresso da História da Expansão Portuguesa no mundo . Lisboa :  Ministério das Colónias ,  1938



JORNAIS EM QUE FOI DIRETOR:

1906
No Circo, revista de que se publicaram 3 opúsculos em 27/11/1906 e 15/12/1906, em Coimbra. Redactor único da publicação, que saiu com o pseudónimo de “Vasco da Silveira”.

1910
A Farça, que abordava questões políticas, literárias e artísticas. O 1º número saiu em Coimbra em 20/12/1909 e o 6º e último em 27/04/1910. Contou com a colaboração de escritores, artistas e jornalistas de grande projecção.

1913
Jornal de Arganil ,  até 1915.
1913
Diário de Coimbra
1915
Correio de  Arganil ,  até 1916


REVISTAS EM QUE COLABOROU:

A Águia: orgão da renascença portuguesa

Contemporanea. grande revista mensal

Ilustração Portuguesa
A Rajada . Revista de critica , artes e letras
Desde muito novo que Veiga Simões iniciou a colaboração em jornais. Aos 25 anos era Diretor de “O jornal de Arganil” publicado de 1913 a 1915. Simultaneamente é redator principal do Diário de Coimbra e do diário lisboeta “República”, órgão do Partido Republicano Evolucionista de que foi igualmente redator principal. Extinto o Jornal de Arganil em Julho de 1915, Veiga Simões é convidado para dirigir o novo jornal chamado “Correio de Arganil”, o que efetivamente acontece por breve período já que a vida do novo jornal foi ainda mais breve que a do primeiro visto que em Setembro de 1916 terminava a sua publicação.
Ao longo da sua vida Veiga Simões foi sempre um colaborador assíduo de vários jornais nomeadamente “A Comarca de Arganil”. Neste apontamento queremos deixar dois testemunhos do trabalho desenvolvido por Veiga Simões nesta faceta de jornalista publicando um número de “O jornal de Arganil” e outro de “O Correio de Arganil”.

DEZ ANOS DE POLITICA EXTERNA
TELEGRAMAS DE VEIGA SIMÕES

ANO 1938

De 1933 a 1940 Veiga Simões é Ministro Plenipotenciário em Berlim. Os oficios e telegramas que enviou ao Ministério dos Negócios Estrangeiros Português revestem grande importância para o conhecimento de todo o processo que conduziu à Segunda Guerra Mundial. Aqui deixamos alguns que fazem parte do livro "Dez Anos de Politica Externa" publicado pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros em 1967.

 

Das várias fecetas que Veiga Simões desenvolveu ao longo da sua vida, a de historiador é a menos conhecida. Sabe-se que quando faleceu tinha muito trabalho preparado para publicação. Onde estão esses inéditos permanece um mistério, como misteriosos são os últimos anos da sua vida.

Este texto sobre Arganil, publicado pela Revista Ilustração Portuguesa em 1906 e que agora recuperamos, dá a ideia do seu fôlego como historiador.

REVISTA ILUSTRAÇÃO PORTUGUESA
1906
II Semestre - 10 de dezembro

Partilhar

DGLAB

Ler +

IFLA

BNP

RBE